estrela maciça que, num estágio avançado de sua evolução, explode, passando repentinamente a brilhar de modo muito intenso...

março 15, 2005

Re-cor-dar

Ela vinha andando na direção oposta, abraçada na mesma pasta velha e cansada, olhando para baixo como se contasse o número de pedras portuguesas. Ele a percebera ainda ao longe, mas não porque fosse especialmente bela ou singularmente interessante. Havia reconhecido sua figura e seu jeito cabisbaixo de andar; todavia não poderia apontar com alguma certeza de onde. Sua imagem era como uma foto antiga apagada pelo tempo, sem cenário, sem data, sem impressões.

Ficou a observá-la enquanto tentava, inutilmente, sabia, encaixá-la em algum vestígio de memória. Ela andava a passos arrastados, parecia-lhe extremamente gasta ainda na flor-da-idade, recordava-se de que ela sempre houvera tido esse olhar, como dizer, envelhecido.

Reconhecia nela aquele rir quase tímido, sabia que a maçã do rosto parecia mais robusta do que lhe seria conveniente, lembrava-se de que ela desviava o olhar toda vez que o sorriso lhe tomava a boca. Recordava-se de que ela, durante qualquer conversa, tentava mil vezes prender os cabelos num nó que a lisura invariavelmente desvazia, que nunca se dava por vencida, achando, ele presumia, que da próxima vez, talvez com mais jeito, conseguisse prender a madeixas.

Cada nuance, cada gesto, cada movimento não lhe era novo. Contudo, não conseguia localizá-la em suas lembranças e, confessava, não eram tantas, nem tão dignas de serem armazenadas.

Começou a acreditar que ela talvez fosse mera invenção de sua mente. Talvez nem existira de verdade em seu passado. Talvez sua existência presente fosse tão etérea quanto um pensamento vão.

Mas a verdade foi que lhe sorriu ao passar.

4 Comments:

Anonymous Anônimo said...

amei maricota!! mt legal

beijos Carol

10:09 PM

 
Anonymous Mari Silvestre said...

Marii!! Muito legal o q vc escreveu!! ADOREI!! Eu não sabia q vc tinha blog...vou passar a frequenta-lo!! Seu texto me lembrou muito o clipe Resposta do Skank!! bjokas

10:10 PM

 
Blogger Amanda Schuab said...

Mari, sei que te falei hoje que prefiro sua terceira pessoa, mas que tb acho que você deveria escrever mais em primeira pra melhorar e tal, mas definitivamente não tinha como esse post ficar melhor se fosse escrito diferente. Ficou muito bom, como sempre!
Beijos!
P.S: To com saudade de Severo e Serena...=(

10:13 PM

 
Anonymous Carlinha said...

Mari, aí vai uma sugestão. Além de tentar se arriscar em primeira pessoa que tal também dar mais nome aos personagens? Acho que fica mais forte, apesar de ser mais poético não nomear. Mas acho que seus textos vão crescer ainda mais se os personagens foram apresentados. Beijos!

8:44 PM

 

Postar um comentário

<< Home