estrela maciça que, num estágio avançado de sua evolução, explode, passando repentinamente a brilhar de modo muito intenso...

abril 11, 2005

Luiza



Ela é pequena. Contudo não tão pequena que caiba na palma da minha mão. Infelizmente. Quisera eu guardá-la no meu bolso e protegê-la de todo e qualquer mal (e mau também).

Eu queria ensiná-la sobre as coisas da vida, sobre as abelhas que voam de flor em flor, sobre o céu ser azul, sobre como as crianças nascem, sobre o canto dos passarinhos, sobre todas as cores do mundo, sobre por que a chuva cai, sobre a ordem de todos os números, sobre a impossibilidade de se escrever infinito, sobre por que os olhos doem quando olhamos para o sol, sobre a lei da gravidade, sobre a importância de se obedecer aos pais, sobre como fazer coisas escondido sem ser descoberta, sobre todas as línguas faladas, sobre todas as sociedades extintas, sobre o funcionamento do corpo humano, sobre os buracos negros, sobre o sistema solar, sobre rotação e translação, sobre as diferenças entre meninos e meninas, sobre quem escreveu a Bíblia, sobre o nosso planeta Terra ser constituído, predominantemente, de água, sobre como somos parecidos com os macacos, sobre as baleias, que, apesar de se assemelharem aos peixes, são mamíferos, sobre perdoar, sobre não esquecer, sobre a métrica dos poemas parnasianos, sobre a necessidade de se estudar matemática a fundo (mesmo que só se utilizem as quatro operações fundamentais), sobre a história da música, sobre como correr sem cair, sobre como voar sem sair do chão, sobre ler bons livros, sobre ler livros ruins de vez em quando, sobre como escrever palavras proparoxítonas (e sempre acentuá-las), sobre não falar com pessoas desconhecidas, sobre amar sempre, sobre amar só os certos, sobre não se magoar, sobre não ligar, mesmo quando se quer, sobre nunca mentir, sobre nem sempre falar a verdade, sobre o quanto somos pequenos em comparação ao universo, sobre o quanto somos importantes na vida de quem nos ama, sobre nenhum menino merecer um lágrima sua, sobre nenhuma pessoa merecer nenhuma lágrima sua, sobre nunca desejar mal a ninguém, sobre só se desejar mal a determinadas pessoas, em determinadas circunstâncias, sobre o valor da família, sobre o quanto dependemos de quem vive conosco, sobre as perdas, sobre a saudade, sobre ser forte, sobre ser tudo o que nos é verdadeiramente impossível, sem notarmos a impossibilidade...

Mas basta um sorriso seu e fica muito claro quem precisa aprender o quê.

8 Comments:

Anonymous Anônimo said...

nossa mari, q texto lindo!!! =))

beijos Carol

10:14 AM

 
Anonymous Anônimo said...

O texo tá lindo mesmo. A Luiza tbm. E o nome dela tbm!!!Hehehe =p

Bjos, Luiza
ps: agora comento sempre!!!

12:05 AM

 
Blogger João Gabriel said...

Realmente, de um modo geral, nós deveriamos ser que iguais as crianças. Elas sim, amam com profunda gratidão, se divertem com tão pouco, basta apenas um saco de mm´s, possuem sinceras amizades e contagiam qualquer um com um simples e contido sorriso. Nem tudo na vida é certo, menos ainda os amores. Amar só certos seria amar infinitamente num determinado período. E quando pequenas, de fato elas fazem isto.
Fica claro quem precisa aprender com quem.
O texto ficou bem legal, gostei muito.
Beijos João Gabriel

11:32 PM

 
Anonymous Anônimo said...

A menina é encantadora e o texto é um dos mais tocantes que li em blogs ao longo desse ainda curto ano.

2:11 AM

 
Anonymous Cronem said...

Texto sublime e sincero. Toda vez que ouço falar sobre Paulo Coelho, mais eu reitero que emoção e sensibilidade não se vendem. Graças a Deus, se blogam.

Beijos, também para ela

8:44 PM

 
Anonymous Carlinha said...

Pra quem diz que não sabe fazer poesia... Surpresa! Isso é pura prosa poética. Principalmente a construção. Muito bem pensado e ótima homenagem às crianças (que nós tanto amamos nessa nossa idade em que os instintos maternais começam a se fazer sentir).
Beijos

10:56 PM

 
Blogger Amanda Schuab said...

Todo mundo tem um comentário pertinente a ser feito sobre seu texto, eu como sempre amei, claro, mas não tenho nada a acrescentar, também nem acho que precise, ele sozinho já diz tudo...=)
Mas tem UMA coisa que eu TENHO q comentar, na verdade são duas, mas vamos por partes.. Primeiro: DEFINITIVAMENTE você não pode ensinar a ninguém sobre "como não esquecer".. Hahahaha.. Li o texto quase todo morrendo de vontade de te falar isso logo.. Hahaha.. SUa desmemoriada!!!!!!!!
E outra é na verdade um comentário sobre o comentário da Carlinha.. Instintos maternais????????? Se cuida, CARLA!!!!!!!!!!!!!
Beijooos!

9:03 PM

 
Anonymous Carlinha said...

Amanda, querida
Eu ia mandar você para um lugar muito especial e nada hóspito. Mas como eu sou uma menina educada, espero que você tenha entendido minha mensagem sem que eu tenha de fazer uso de vocabulário chulo.

11:15 PM

 

Postar um comentário

<< Home