estrela maciça que, num estágio avançado de sua evolução, explode, passando repentinamente a brilhar de modo muito intenso...

setembro 10, 2005

Da série "nobres sentimentos" - Orgulho




Caras e bocas, um discurso quase sempre inflamado, mãos que gesticulam compulsivamente, ajeitam o cabelo, puxam o cabelo, prendem o cabelo, soltam o cabelo, olhos que mudam de expressão a cada sílaba tônica, dentes que mordem os lábios para impedi-los de dizer o que não se quer.

Mas se você me abraçar, eu paro. Hesito, mas paro. Você sabe que eu não resisto ao seu peito. Mas tem que abraçar forte, quase segurar meus braços. Se eu tentar me soltar, agarre com mais força. Sou assim mesmo. Com o tempo, eu cedo. Se disser que me ama, ficarei muda. Não direi nada. Nenhuma palavra. Mas na minha cabeça, na minha cabeça... Eu te amo muito, eu te amo mais, eu te amo demais, desculpa?, não sei por que sou assim, não devia ter dito tudo isso, eu fiquei nervosa, desculpa, por favor?, eu te amo muito, era a última coisa que eu queria dizer...

Contudo, da boca não sai um som.

Depois eu digo. Talvez amanhã. Quem sabe nunca. Mas aí vão meus sinceros pedidos de desculpa.

Desculpa?